Nem sempre os fatores genéticos são determinantes para ocorrência de uma doença

David Sackett, considerado o “pai da medicina baseada em evidência” disse certa vez que “Metade do que você aprenderá na faculdade de medicina estará completamente errado ou desatualizado dentro de cinco anos de sua formatura; o problema é que ninguém pode dizer qual metade “. O uso de IA em saúde acelera esse processo. A medicina tem avançado a ritmos cada vez mais acelerados e o conceitos e práticas médicas começam a ficar ultrapassados em pouco tempo. Por exemplo, este estudo publicado na revista Nature Communications, por cientistas da IBM, do Broad Institute of MIT e Harvard, e da empresa de healthcare Color, evidencia que a presença de mutações genéticas não é um indicador confiável para disparar doenças genéticas. O fato de ser portador de uma doença não é determinístico para a pessoa sofrer a doença. O gatilho não necessariamente será acionado. A pesquisa mostra que as doenças são tão influenciadas por outros fatores que o risco nos portadores é às vezes tão baixo quanto em pessoas não portadoras. Isso muda muito o cenário das terapias preventivas para essas doenças.

O estudo pode ser acessado no link :

Rolar para o topo